Como me tornei vegetariana?

salad-2756467_1920

Há um tempo para tudo, e apesar de já há algum tempo pensar em tornar-me vegetariana, não tinha em mim a clareza das razões e nem as alternativas adequadas ao meu plano alimentar.

E quase a completar os meus 40 anos, como que por forças do universo, quando “passeava” pelas redes sociais as informações e vídeos sobre a crueldade animal começaram a ser cada vez mais comuns, e por mais que evitasse ver, havia sempre alguma imagem que acabava por passar. E estas imagens começaram a estar presentes quando estava sentada à mesa, pronta para comer um bife.

Mas, há sempre muitos, mas, conseguimos arranjar desculpas sociais e de necessidades alimentares, que nem sabemos se são reias ou não, mas que nos servem para continuarmos como os carneirinhos a seguir o rebanho sem questionar.

Felizmente houve um dia em que decidi fazer um workshop online sobre detox e alimentação consciente com a querida Joana Alves. Aprendi imenso sobre os tipos de alimentos, leitura de rótulos e sobretudo consciencialização do que devemos ou não comer. Este workshop era online e depois de 2 semanas de muita informação, passamos a 3 semanas de prática, com menus completos sem açúcar e vegetariano.

E ao fim destas 3 semanas transformadoras nunca mais comi carne nem peixe, aprendi a cozinhar pratos diferentes, mas muito completos e saborosos, fui ajustando o tipo de alimentos às minhas necessidades físicas, mas sempre focada no vegetariano e saudável.

Já lá vão alguns anos, e posso dizer-vos que me sinto fantástica, cheia de energia, e sobretudo com o coração leve por poder alimentar-me sem crueldade. E continuo a ter imenso prazer em cozinhar e em comer.

Há quem me pergunta se não tenho desejos em comer carne ou peixe, e garanto-vos que não. Quando queremos uma coisa e ela realmente nos faz sentido, não há tentações.

Esta mudança alimentar levou-me a ler e pesquisar sobre vários tipos de regimes alimentares, havendo um que me chamou a atenção e ao qual dou maior relevância, apesar de não ser rigorosa, mas que e serve de linha orientadora – Macrobiótica, com a querida Ana Torres da Azuki e professora do Instituto Macrobiótico de Portugal.

Leave a comment